Deixe um comentário

Alfarrábios do Melo

Olá, saudações rubro-negras a todos!

De volta ao FlamengoNet após um mês de exílio voluntariamente forçado (se é que isso existe), peço um pouco de paciência, pois nessa semana gostaria de tecer algumas considerações sobre essa Copa que acaba de terminar. É pouca coisa, prometo.

Copa 2010 – Rápidas Impressões

E faço essas ressalvas porque imagino que muita gente já deve estar vivendo uma “ressaca midiática”, não agüentando mais ouvir falar de jabulani, kenako, vuvuzela, polvo profeta, dunga e larissa riquelme (epa, dessa aí pouca gente se cansa).

Isto posto, entendo que esse Mundial, agora compondo o passado, terá sido bem marcante, não só pela atmosfera contagiante como pelo futebol praticado, que apesar de criticado por vários (não sem certa dose de razão, pois houve peladas de uma ruindade quase inverossímil), permitiu assistir a espetáculos sensacionais, verdadeiros “thrillers” dignos de cinema (Itália x Eslováquia, Uruguai x Gana), ou mesmo aulas de futebol, como a que a Alemanha aplicou na Inglaterra e na Argentina, e levou da Espanha. Resumindo, uma Copa bem melhor e mais divertida que as duas anteriores.

Isso ocorreu muito por conta das tais “tendências”, que são sempre dissecadas e analisadas pelos especialistas, e que não cabe discutir aqui a fundo. Mas deu pra ver, por exemplo, que o “volante-brucutu” foi definitivamente morto e sepultado, pelo menos pelas melhores seleções, dando continuidade a um fenômeno já rascunhado em 2006. Deu gosto ver, por exemplo, nomes como Khedira, Schweinsteiger e Xabi Alonso jogando um futebol mais refinado do que muito meia em atividade por aí. Saindo pro ataque, participando ativamente das ações ofensivas e ao mesmo tempo fazendo parte de sistemas defensivos sufocantes, que concediam poucas chances aos adversários. Outro aspecto que deu pra observar foi a utilização de linhas de quatro defensores pela maioria dos times, mostrando que o esquema de três zagueiros está caindo em desuso. E nessa linha pelo menos um dos laterais atua guardando sua função defensiva, indo pouco ao ataque. Não é de se estranhar que poucos laterais tenham se destacado nessa Copa (a rigor, só o Lahm me chamou a atenção). Por fim, foi interessante ver atacantes sendo recuados para a função de meia, ajudando a coordenar jogadas ofensivas, como foi o caso de Forlán, Kuyt, Podolski e, em alguns momentos, até do Rooney. Aliás, as melhores equipes usaram pelo menos um meia em sua formação principal. Ou seja, o meia não me pareceu uma função em extinção.

Bem, agora chega de Copa.

E o Flamengo?

Falando de Flamengo, nossa paixão. Não pude deixar de reparar que muito do que foi mencionado aí em cima esteve presente no time que levou o hexa ano passado. Volantes talentosos, laterais que jogavam como laterais (e não alas), uso de atacante ajudando na armação, meia com papel decisivo.

Dando uma olhada no elenco que até aqui está à disposição do treinador Rogério, vislumbro que, apesar da inquietação manifestada por boa parte da torcida, há jogadores interessantes, que, se forem bem trabalhados, poderão constituir uma bela espinha dorsal. Nomes como Kleberson, Correa, Renato Abreu, Willians e Petkovic poderão formar um meio-campo de alto nível e bastante competitivo pros padrões brasileiros. Não há nenhum brucutu aí, e apenas o Pet não pode participar de um sistema defensivo.

Nossos laterais (parece que vão ficar) seguem sendo uma arma importante. O que preocupa mesmo é a zaga e o ataque, mas o Zico segue dando a entender que o foco de novas contratações será por aí.

Aliás, falando em Zico, vi que as contratações iniciais geraram um certo desconforto em muita gente, especialmente em função das especulações iniciais, que falavam em Riquelme, Lugano, Deivid e quetais. Bem, trazendo um pouco de história, segue uma escalação que me vem à mente:

Fillol, Josimar, Luís Pereira, Darío Pereyra e Branco; Vampeta, Juninho Paulista, Sócrates e Alex; Edmundo e Denílson

Belo time, não? Uma constelação de jogadores consagrados, alguns campeões mundiais, outros com Copas do Mundo nas costas, ídolos em times de ponta, enfim. Todos esses jogaram no Flamengo, e quando suas contratações foram anunciadas, uma onda de festa e otimismo varreu a Gávea. Mas nenhum, rigorosamente nenhum desses rendeu o que se esperava. Passagem opaca (ou medíocre mesmo, em alguns casos), não deixaram saudades.
Agora quero montar outro time:

Zé Carlos, Leonardo Moura, Fernando (1990), Álvaro e Gilberto; Charles Guerreiro, Uidemar, Renato Abreu e Petkovic (2009); Gaúcho e Caio

Bem menos vistoso, não é? Essa turma também possui algo em comum. Quando esses jogadores vieram pro Flamengo, provocaram reações que alternaram entre a rejeição, o sarcasmo e a simples indiferença. Tidos como decadentes, inexpressivos ou simplesmente desconhecidos, souberam conquistar a confiança da exigente torcida flamenga e participaram ativamente de times vencedores. Todos foram campeões com o Manto e alguns deles até hoje são lembrados com saudades.

Concluindo, não quero aqui asseverar que o elenco é bom, ou que está completo, longe disso. Há problemas e ainda é preciso reforçar pontos vulneráveis, mas é dentro do campo que veremos se determinadas apostas vão vingar ou não.

Por fim, pra não passar em branco. Profundamente lamentável o episódio envolvendo o Bruno. Uma lástima.

Uma boa semana a todos (na próxima terça, volto contando “causos” e histórias).

Anúncios

Sobre flamengonet

jornalista

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: