Deixe um comentário

Alfarrábios do Melo

EU ACUSO.

A quem eu acuso? Ei ei, é você! Não se esconda atrás da cadeira não, é você mesma! Não, o Ronaldinho não está aí, nem o Joel, nem o Luxemburgo, nem o Zico. É com você que eu tô falando, presidente. Você, e apenas você.

ACUSO de incompetência. Sim, quem coleciona um rosário tão vasto de vexames em dois anos e meio merece um estudo de caso. Você recebeu um time campeão brasileiro, uma torcida extremamente mobilizada, uma mídia inflamada pronta para elevar mortais a deuses. Está nos entregando um time regional, sem perspectivas, derrotado antes do apito inicial. Uma equipe que joga errado, é armada errado, um elenco comandado pelo jogador errado e um treinador obsoleto que não transmite o mínimo de controle e disciplina a um grupo mimado. Suas técnicas avançadas de gestão incluem a distribuição de complexas cartilhas redigidas num Português capaz de extrair risadas de crianças de oito anos. O vice de finanças fala de futebol, o vice de relações exteriores (o Flamengo é o Itamaraty?) fala de futebol, o vice do jurídico(?) viaja para contratar jogador, sua administração é uma zona, uma esculhambação generalizada. E o bando que se vê em campo é um retrato fiel disso.

ACUSO de oportunismo. Você estava no Engenhão domingo? Gozado, não a vi. E no jogo do Olimpia, você estava? Estranho, não percebi também. Aliás, você nunca aparece na derrota, não é? Tenho certeza que se o time tivesse vencido alguma câmera conveniente se apressaria em focalizar suas palminhas nas tribunas. Suas práticas de trabalho próprio de imagem são anacrônicas, previsíveis, próprias de vilarejos dos anos 50. Em seu sorriso inexpressivo está imprimida, indelével, a marca da derrota, o estigma dos perdedores. É patético seu empenho em associar-se às glórias da instituição como se grande líder fosse. Pegajosa, sua presença insistente e inoportuna ao lado de atletas recende a compaixão e desprezo.

ACUSO de diversionismo. Você tenta insultar nossa inteligência, dando aos esportes amadores peso semelhante ao futebol flamengo. O Flamengo é a mais expressiva instituição esportiva desse país, basicamente por conta do que construiu nos gramados do Rio, do Brasil e do Mundo. Sim, a história do remo, do basquete e de outros esportes também é rica, mas eu lhe desafio a citar DOIS jogadores do time de basquete mais vitorioso da história flamenga. Bastam dois. Será que o Samba Rubro-Negro, a Charanga, a gaitinha de Ary Barroso e outras inúmeras expressões da nossa arte popular exaltavam o Flamengo por conta do nosso time de arco e flecha? No entanto, seu foco é acariciar “o esporte olímpico”, do qual eu só me lembro quando vejo seu amiguinho ginasta ir aos jornais reclamar que o clube não lhe dá um camarim climatizado. Ah, mas você trouxe o Cielo. Cielo, cielo… Opa, lembrei! Crédito ou débito?

ACUSO de omissão. Você, convenientemente, gosta de confundir delegação com transferência de responsabilidade. Atirar em terceiros os encargos de sua posição é um dos seus esportes preferidos. Você precisa de um biombo que torne opaca a percepção de sua completa incapacidade para exercer o comando do clube. E nesse processo você não hesitou em anuir na instalação de um dos mais revoltantes e covardes processos já vivenciados no âmbito flamengo, expondo a sacra imagem do maior ídolo de nossa história às patas imundas de seus áulicos e outras ratazanas, que buscaram histericamente macular-lhe a honra e a credibilidade. Agora você lambe sua memória, diz-lhe coisas gentis. Não adianta, esses votos você já perdeu.

ACUSO de falta de visão. A gente imaginava que a gestão de imagem da administração anterior era uma piada, algo de mau gosto. Pois você conseguiu ser ainda pior. O trabalho desenvolvido pelo marketing do clube é de uma mediocridade tão cintilante que mencioná-la chega a suscitar ondas de constrangimento. O trabalho de promoção e construção de percepção externa do clube está entregue a colegiais, a gente que atua como neófito, incapaz de estampar UMA MÍSERA logomarca na camisa do clube, fonte de renda primária e primitiva que movimenta um negócio disseminado desde os ANOS 80. Você trouxe um jogador que abria uma miríade de possibilidades, você conseguiu uma oportunidade de ouro para reverter a sua gestão, mérito seu (olha só, eu também elogio…). Mas jogou tudo fora. Não conseguiu lançar UM CHAVEIRO no momento certo, nem mesmo quando o sujeito chegou a responder em campo, durante o Brasileiro. Agora? O menino já caiu nas boates da vida e não quer jogar bola. Vai lançar bonequinho? Agora?

ACUSO, por fim, do pior dos crimes. Você nos roubou. Roubou a alegria de ser rubro-negro.

Não, a culpa pelo que está acontecendo não é só sua. Mas a responsabilidade é. ÚNICA e EXCLUSIVAMENTE sua, Patrícia Amorim.

E quem eu sou? Só um torcedor. Eu não importo. Afinal, torcedor não vota. Não elege.

Mas derruba.

Anúncios

Sobre flamengonet

jornalista

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: