2 Comentários

DIAS MELHORES VIRÃO

Neste último domingo li uma coluna da Danuza Leão na Folha de S.Paulo. Falava sobre alguns dias que a gente acorda no maior baixo astral, sem vontade nem de sair da cama. Aí, dizia ela, você vai se forçando a enfrentar o dia, suplanta esse desânimo e, à medida que o tempo vai passando, você entra no ritmo normal, vê coisas que afastam aquele desânimo inicial e acaba o dia feliz e recuperado. Bom, o texto não é esse, mas a ideia é. Quem quiser ler, o link é este:

Bom, nessa última terça feira eu acordei mais ou menos assim, prá baixo, sei lá por que. Talvez porque era o dia do 91º. aniversário do meu falecido pai, que morreu ano passado. Fui trabalhar com o saco cheio, como se já tivesse passado oito horas seguidas de aporrinhação e más notícias. Passei a manhã meio mals, ainda mais com a conversa absurda sobre viagem de Michel Levy para contratação de Diego e outras babaquices. Cheguei até a rascunhar um POST soltando os cachorros sobre essa diretoria que parece não ter limites para a avacalhação do Flamengo. Desisti de publicar porque era terça e não dava pra competir com o Melo e o RNT. Arquivei e passei a tomar uma overdose de MSI pra tudo quanto é lado. Não se esqueçam que moro no interior de São Paulo, reduto de corintianos, palmeirenses e são-paulinos, milhares deles, coisa de louco.
 
Saí pro almoço e o dia começou a melhorar. No trajeto até minha casa encontrei  uma mulher, no meio do calçadão, entre centenas de pessoas , muitas com a camisa do MSI, obviamente, caminhando altiva com o manto. Não é normal, não aqui. Já vi muito marmanjo com o manto aqui em Prudente, mas mulher foi a primeira. Ela desfilava orgulhosa e ria, feliz da vida. Já seria suficiente, mas não tinha acabado.
Terminado o expediente fui correr num parque aqui da cidade. É todo gramado, ao longo de uns dez quarteirões, cheio de árvores e equipamentos de lazer: quadras, pistas de skate, trilhas e uma pista de ciclismo. Eu corro aí, devidamente uniformizado com uma camisa branca do Flamengo, ainda do tempo da Nike, num circuito oval com gramado no meio. Estava terminando meu percurso quando percebi um garoto, de uns 8 anos, vindo na pista oposta, atravessar o gramado, em minha direção. Passou por mim rápido e falou: esse time é demais, né tio? E vazou, na velocidade própria de sua idade, talvez envergonhado por ter falado com um desconhecido. Estava vestindo um manto rubro negro, só vi depois que ele se afastou. Fiquei rindo sozinho, feliz da vida. Se aqui, nesse interiorzão de São Paulo, cercado de hordas de corintianos enlouquecidos pela perspectiva de um título que perseguem como se fosse o Santo Graal, esse garotinho tão pequeno se enche de orgulho para envergar nossa camisa, o mundo não vai acabar. Aliás, ficou repentinamente claro que ainda temos um longo tempo de grandeza flamenga garantida.  Lembrei  da mulher do calçadão tão feliz no manto, desfilando a sua alegria de ser rubro-negra. Aqui, onde ninguém veste um uniforme que não seja dos times paulistas. Vestem camisas do Barcelona, do Manchester, do Milan, porque acham que é moda. Ou, como dizem os tricolores de ambas as pontas da Dutra, porque acham fashion.
Quem veste o manto professa a fé rubro-negra. Não há Patrícia que acabe com isso. Não há R0 ou Joel Santana que vença essa força. Vivemos dias sombrios, é verdade. Mas hoje eu soube que dias melhores virão.
Anúncios

Sobre flamengonet

jornalista

2 comentários em “

  1. Patrícia amorim chupa a rola do joel santana que come o cu do maconheiro do vagner love

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: