6 Comentários

Alfarrábios do Melo

   001 zSaudações flamengas a todos.
 
Hoje eu continuo a série sobre o (meu) Flamengo de todos os tempos, mas vou me permitir alterar a ordem de apresentação dos craques do time. Afinal, Zico, Zicão, Zicaço completou sessenta anos. E nada mais apropriado do que já escalar e “entregar” a 10 justamente ao maior de todos os heróis que vestiram, dignificaram e deram peso ao sagrado manto flamengo. Boa leitura.
 
* * *
 
Parece ser mais uma decisiva partida numa tarde ensolarada de domingo. Parece ser mais um jogo de casa cheia, é no Mineirão, podia ser no Maracanã, no Morumbi, Olímpico ou Serra Dourada. O público é ruidoso, canta e faz festa, como faria em qualquer outro desses palcos.
 
É jogo importante sim, mas para um dos times apenas, o adversário, que é o Cruzeiro, precisando fortemente da vitória. O Flamengo já está virtualmente eliminado, precisa nas próximas rodadas vencer, vencer, vencer e torcer para que uma sacrossanta combinação de resultados o ponha na Final do Campeonato.
 
E assim, uma multidão azul ocupa as arquibancadas. E grita por seu time, como qualquer torcida berraria por seus jogadores em um jogo importante qualquer.
 
E a liturgia dos grandes jogos vai sendo seguida. Dezenas de repórteres se polvilhando no campo, os fotógrafos demarcando seus lugares atrás das metas, o verde gramado das Minas Gerais tornado iridescente por um faiscante sol que começa a ver sua hegemonia ameaçada pela sombra que cresce às margens do campo, torcedores agitando suas bandeiras e batucando indolentes e tensos sambinhas em seus instrumentos enquanto o grosso dos espectadores vai chegando e se acomodando em seus tépidos assentos de cimento.
 003 z
A hora da partida vai se aproximando no mesmo ritmo que os batimentos da percussão e dos ansiosos pulsos se aceleram, perfeitamente sincronizados. Alguns foguetes já são estourados à guisa de aquecimento, algumas buzinas explodem seus berros guturais, o papel picado tão bem enrolado já está pronto.
 
Entra o trio de arbitragem. Vaias. Entra o Flamengo, tímidos aplausos de uma Nação sempre presente mas algo desanimada. Apupos.
 
Agora é o Cruzeiro, o Mineirão estoura em um mar de serpentinas, fumaça, poeira, fogos, gritos e palmas que espelham uma forte e esperançosa expectativa azul. Zêêêrooo, zêêêrooo, berram os seguidores da Raposa. Os jogadores batem bola, posam pra fotos e dão entrevistas. Surgem os nomes no placar eletrônico.
 004 z
Primeiro, os do Cruzeiro. Balu, Paulo Isidoro, Careca, Heider, todos têm seus nomes gritados, são aplaudidos e acenam em resposta, gratos. Como em todo jogo. Como em qualquer estádio. A seguir, os nomes do Flamengo. Zé Carlos, Uidemar, Leonardo, Ailton, Renato. Todos aparecem, os poucos acenos flamengos são logo sufocados pelas vaias de uma esmagadora maioria. Uivos e até xingamentos, recebidos com indiferença por jogadores já acostumados a seguir o criterioso ritual que antecede a cada partida de casa cheia. No fundo, alguns até gostam. Agora a coisa está perto do fim, o árbitro já esboça movimentos pensando na etapa seguinte.
 
É quando surge no placar o nome de Zico.
 
Os flamengos apertam o grito, destemidos, berram o nome de seu ídolo maior, indiferentes à reação dos locais. E, como esperado, as cinquenta mil vozes se erguem em uníssono, sobrepondo-se aos cânticos dos seguidores rubro-negros. Entretanto, como em uma divinal ópera, o canto mineiro se alastra num hino tão devastador como inusitado, corações abertos em cortante simplicidade e honestidade.
 
“Olê, olê, olê, olê, Zicô, Zicôôô…”
 
005 z
Não há quem deixe de estacar e contemplar a maravilhosa e singela homenagem prestada pela torcida cruzeirense. Alguns mais pragmáticos estão assombrados ao perceber que o mineiro está ovacionando o maior ídolo do adversário antes da partida, outros não se lembram de precedente parecido. Os mais sensatos simplesmente choram. É impossível ignorar que, neste momento, a torcida de Minas Gerais está representando a gratidão e o respeito de milhões de brasileiros e tentando apenas ser carinhosa com o ídolo que está partindo. E lhe está proporcionando o reconhecimento que somente as grandes lendas do esporte auferiram ao final de sua obra. A unanimidade.
 
“Obrigado, Zico.”
 
Agora é o placar eletrônico que participa do gesto, com sua mensagem lampejante. Os torcedores flamengos alternam-se entre lágrimas e gritos de amor a seu rei. Poucos conseguem falar, reagir, esboçar mais que suspiros. A massa continua seu canto azul a Zico, parece não haver como parar. Os jogadores, arrepiados, não se furtam a mirar para o craque, que está ali, a poucos metros, tangível e inacessível como as vivas legendas. O Galo segue seu aquecimento, também parece sensibilizado, acena timidamente em agradecimento, e o recital vai chegando ao final, dando lugar ao pesado silêncio que costuma ser erigido no vácuo dos momentos históricos.
 
A partir daí, tudo seguirá dentro do roteiro escrito para todo jogo decisivo. A partida será disputada, aguerrida, o torcedor vai gritar, espernear, aplaudir, vaiar. Zico será tratado como adversário, como todo o time do Flamengo. Cada espectador irá dar vazão à sua veia de torcedor e deixará suas entranhas no estádio, saindo dele pleno e revigorado para encarar mais uma semana da infindável e encarniçada batalha de sua vida. Até o próximo domingo.
 006 z
No entanto, a testemunha daqueles minutos que antecederam à partida do Mineirão sabe, de forma consciente ou não, que jamais será o mesmo, após doar-se em gritos de reconhecimento e amor ao ídolo Zico. Jamais será o mesmo, porque não vai mais ter Zico, não vai mais ter o gênio, o craque, o paradigma de perícia técnica, improviso artístico e conduta profissional reunidos em um só jogador, não mais as tardes ou noites em que o futebol se sentia homenageado aos pés do Galinho. Jamais será o mesmo, porque a partir de então não lhe restarão mais do que as cálidas e cada vez mais esmaecidas lembranças de um órfão.
 
O domingo se esvai. Mais um domingo de futebol. Não, não apenas mais um domingo. O último.

O último domingo de Zico.

Anúncios

6 comentários em “Alfarrábios do Melo

  1. Caro Melo, obrigado!
    Deixe-me fugir um pouco do assunto só para fazer um elogio ao Lucio de Castro que acabou de manifestar (na ESPN) uma opinião corretíssima sobre a matéria que saiu hoje no globo.com dando campo pra P Amorim sem fazer nenhum questionamento. Uma matéria suspeitíssima que não ajuda em nada, só cria confusão. ainda bem que a torcida está esclarecida a respeito do mal que aquela genbte fez ao Flamengo.

  2. A propósito hoje 10:00 Juca entrevista nosso presidente.

  3. Fantástico o texto e principalmente a imagem que descreve. Acho que jamais haverá um idolo da dimensão do Galo, a idolatria que ele provoca na Nação é incomparável, e ainda sobra para torcidas de outros clubes, como o Post relembra. Demais!

  4. Novo ginásio do Fla – Sabe o terreno daquele antigo posto de gasolina ao lado da sede do clube do Flamengo, na Gávea, que está vazio há anos?
    Pois bem, será erguido lá um ginásio de basquete para seis mil pessoas, com ar-condicionado e telão. Os custos serão arcados pelo McDonald’s, que terá o direito de construir um restaurante.
    Fonte : http://oglobo.globo.com/rio/ancelmo/

  5. Engraçado eu sofrer moderação por aqui.
    Por acaso fui eu que matei um menino boliviano ?
    POR QUE VCS TEM TANTA VERGONHA DE UM FLAMENGUISTA HUMILDE ?
    Lá na torcida dos gambás eles defendem bandidos e assassinos com unhas ,dentes e rojões.Aqui a Elite da Flamengonet,censura os pobres flamenguistas.

  6. Flamengo demite ídolos do passado que trabalhavam na base –

    A política de corte de custos da nova diretoria do Flamengo transformou ídolos do passado do clube nas novas vítimas. A nova administração demitiu os ex-jogadores da década de 1970 Liminha, Arílson e Dionísio, que trabalhavam como olheiros nas categorias de base. No fim da semana passada, os funcionários foram informados por telefone de que não seriam mais aproveitados.

    FONTE : http://extra.globo.com/esporte/

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: